Sabedoria


Em 28 de novembro de 1974, sob as asas da imensa generosidade e afeto de Elton John, o beatle Jonh Lennon subiu a um palco pela última vez, no memorável show do Madison Square Garden, em Nova York. Daquele momento exuberante fixou-se como marca, eterna marca, a felicidade de ambos cantando uma versão meio reggae de “Lucy in the sky with diamonds”, aliás, um dos hinos da minha infância, canção que conheci primeiro pela versão de Elton John.

Eu deveria estar mais feliz e menos nostálgico, mas nesse dia cheio de simbolismo, meu pai padece, infartado, em um hospital de Veneza, na Itália, vejam vocês onde o destino enfiou meu velho. Minha irmã já partiu para lá, em nome dos outros dois filhos, para começar a trazê-lo, felizmente vivo, de volta para casa. Por enquanto, conta apenas, meu pai, com o carinho infindável de minha madastra, Sonia. E com meu coração de filho saudoso, doído de tão apertado.

Um escritor, um antídoto

Um escritor, um antídoto

Despedida

By José Saramago

Diz o refrão que não há bem que sempre dure nem mal que ature, o que vem assentar como uma luva no trabalho de escrita que acaba aqui e em quem o fez. Algo de bom se encontrará neste textos, e por eles, sem vaidade, me felicito, algo de mal terei feito noutros e por esse defeito me desculpo, mas só por não tê-los feito melhor, que diferentes, com perdão, não poderiam eles ser. Às despedidas sempre conveio que fossem breves. Não é isto uma ária de ópera para lhe meter agora um interminável adio, adio. Adeus, portanto. Até outro dia? Sinceramente, não creio. Comecei outro livro e quero dedicar-lhe todo o meu tempo. Já se verá porquê, se tudo correr bem. Entretanto, terão aí o “Caim”.

P. S – Pensando melhor, não há que ser tão radical. Se alguma vez sentir necessidade de comentar ou opinar sobre algo, virei bater à porta do Caderno, que é o lugar onde mais a gosto poderei expressar-me.